Textos


ESTRANHA MUTAÇÃO

Estranha mutação a morte encerra!
No peito aquieta o coração candente!
E a alma arranca, assim, abruptamente!
Ao pobre corpo que, afinal, rola por terra!...

Estranha mutação vem inspirar-me
e reunir neste meus pobres versos
os pensamentos meus, os mais dispersos,
a me envolver deveras e abraçar-me...

Sentir desejo a rigidez do morto!
Desfeitos sonhos frios, como o corpo!...
Quimeras, ilusões, também abrolhos...

E penetrar, assim, o imponderável
segredo milenar... indecifrável
com alma aberta e com cerrados olhos!...

Brasília (DF) março de 2012
Antonio Lycério Pompeo de Barros
Enviado por Antonio Lycério Pompeo de Barros em 13/03/2012
Alterado em 16/05/2012

Música: Flowers of the sea - Era

Copyright © 2012. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários