Textos


Aquela árvore

Ontem desnuda e em convalescência,
dedos crispados, para o alto erguidos,
desesperada em gritos ou gemidos
como a implorar ao vasto céu clemência.

Flores não tinhas, frutos, sombra, nada...
E os homens que buscavam tua fronde?!
Incautos colibris?! E a passarada?
Que é feito deles? Onde, então, se escondem?!

Hoje, porém, a primavera aflora
e tudo há de tornar-se como outrora,
tristeza e dor não tornarão jamais...

Conheço, bem de perto, essas mudanças,
não há entre nós dois dessemelhanças,
nossos destinos não são desiguais!

Brasília (DF), fevereiro de 2012.
Antonio Lycério Pompeo de Barros
Enviado por Antonio Lycério Pompeo de Barros em 07/05/2012
Alterado em 16/05/2012

Música: Branca - Dilermando Reis

Copyright © 2012. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários